LUTO NO SAMBA: Riachão morre aos 98 anos e deixa rico legado à música baiana

Sambista faleceu de causas naturais

Divulgação

Morreu nesta segunda-feira (30) o sambista Riachão, ícone da música baiana. O cantor, que tinha por nome de batismo Clementino Rodrigues, faleceu de causas naturais, em casa. 

Compositor do hit “Cada macaco no seu galho”, Riachão rechaçou a ideia de que o samba nasceu no Rio de Janeiro e reivindicava à Bahia a origem do ritmo mais popular do país.

“É uma perda lamentável. Fica a memória, a alegria do nosso sambista, do meu avô. Foram 98 anos de muita alegria, muita música. Vai deixar saudade. Grande perda para a nossa música”, disse Milton Gonçalves Souza Júnior, neto de Riachão, de acordo com o G1.

O velório e sepultamento do artista aconteceram no cemitério Campo Santo, no bairro da Federação. O número de pessoas que puderam render uma última homenagem a Riachão foi limitado em razão das restrições por conta da pandemia de Covid-19. 

A música baiana está de luto, mas o legado de Riachão segue vivo em cada samba de roda feito por aqui, fazendo jus ao que diz sua composição mais famosa: “o meu galho é na Bahia”.

Sobre Paulo Henrique 10 Artigos
Formado em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela FTC. Apaixonado por esportes. Por aqui o debate é aberto e sua participação é fundamental.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*