18 de October de 2017

Projeto de Judô apoiado pela Sudesb vem transformando a vida de crianças e jovens no município de Simões Filho

Um projeto visando a inclusão social através do judô, que tem o apoio da Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia – Sudesb, vem mudando a vida de crianças e jovens do município de Simões Filho e da região. Atendendo a cerca de 180 alunos, o Centro Múltiplo de Integração Judô Católica, que tem à frente Mariano Loreto dos Santos, oferece a prática dos ensinamentos do judô, incluindo o quimono, gratuitamente, e vem revelando nomes como os  judocas Ramon Ferreira, terceiro colocado no sul-americano de 2004, e Samia Graziela, medalha de bronze este ano no Sul-Americano na Argentina. Além de Gildezan de Jesus, campeão sul-americano no Equador, em 2008 e agora bicampeão na Argentina.

Paulo Moisés e o pai Ronaldo Sacramento. Fotos: Paulo Neves.
Paulo Moisés e o pai Ronaldo Sacramento. Fotos: Paulo Neves.

Mariano Loreto lembra que tudo começou em 2002, com a criação do centro que ministrava aulas na igreja Católica Nossa Senhora da Conceição no Cia. Daí o nome de Centro Múltiplo de Integração Judô Católica. “O tatame era improvisado, os quimonos eram emprestados e, apesar das dificuldades, a união era grande. Gildezan treinava na igreja e atualmente vem brilhando no judô e treina no Sesi. Agora com o apoio da Sudesb podemos fazer um trabalho mais amplo. Nosso objetivo não é só ensinar judô, mas conquistar a cidadania, formando o jovem para o futuro” conta.

Ele cita ainda o exemplo de Patrícia Ribeiro, de 15 anos, que começou no Centro Múltiplo, foi para o Sesi, e conquistou o terceiro lugar no Troféu Centro República na Argentina, em 2006.

As aulas acontecem, provisoriamente, na rua Minas Gerais, Quadra 8, de segunda a sexta-feira, sob a orientação dos professores Igor Tiago, Ítalo Angelo dos Santos, Samuel Sá Barreto e Domingos Conceição da Silva. Os alunos do Múltiplo participam de competições da Federação Bahiana de Judô.

Projeto Social de Judô em Simões Filho. Foto: Paulo Neves.
Projeto Social de Judô em Simões Filho. Foto: Paulo Neves.

O professor Samuel Barreto, faixa preta 1° dan, deu seus primeiros passos no judô nas aulas do centro. De aluno passou a ser voluntário, desde quando era faixa roxa. Hoje é responsável em passar os ensinamentos para a garotada. “Além de ensinar o judô, acompanho e cobro o desempenho dos meus alunos em relação aos estudos”, finaliza.

Já para o professor Igor Tiago Loreto dos Santos, que já foi 10 vezes campeão baiano, bicampeão brasileiro universitário, medalha de ouro no torneio internacional de Maiami Open, nos estados Unidos, entre outros títulos, é muito satisfatório dar aulas para esta meninada.

Para Ronaldo Sacramento dos Reis, pai de Paulo Moises dos Santos Reis, 11 anos, que já freqüenta o Centro Múltiplo há quatro anos, a mudança do filho deixou toda a família feliz. “Ele era um menino muito quieto, parado, e agora se desenvolveu bastante. Hoje já conversa e está mais participativo com os colegas. A luta foi e é grande diante das dificuldades do dia a dia e o trabalho do centro com estas crianças realmente tem sido gratificante” declara Reis.

Projeto Social de Judô em Simões Filho. Foto: Paulo Neves.
Projeto Social de Judô em Simões Filho. Foto: Paulo Neves.

Entre os alunos que freqüentam as aulas chamam a atenção cinco irmãos da família Vieira Santana: Gabriele, 13 anos, Grasiele, 11 anos, Gracielen, 10 anos, Graciel, 8 anos e Kleveson, 6 anos. Há também os especiais como Valmar Gomes, de 26 anos, que afirmou gostar muito de fazer judô. “Ele é um dos mais empolgados, e mesmo com síndrome de down consegue acompanhar e capricha nas atividades” revela Mariano Loreto.

Já Luiz Carlos dos Santos, 13 anos, quando chegou ao centro múltiplo não sabia a data de nascimento, número da casa, telefone, entre outras coisas. Agora, de acordo com os pais e professores, tem melhorado muito.

Os gêmeos Marco Antônio e Marco Vinicius Cardoso Santos, 11 anos,  ficaram eufóricos pela participação recente em uma competição de judô, no Clube Campomar. “Nunca tinha competido antes e consegui chegar entre os primeiros. Agora vou me dedicar mais ainda” garante o garoto.  Fabrício Souza Santos, 8 anos, é  faixa cinza. Há um mês freqüenta o judô, duas vezes por semana, e garante que procura sempre obedecer os ensinamentos aprendidos no centro. A mãe de Fabrício, Rosemery Costa de Souza, disse que ele se tornou bem mais obediente. “Apesar do pouco mais de um mês aqui, estou gostando muito da disciplina e da organização. O tratamento é fora do comum e meu filho mudou bastante o comportamento dele”.


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*