8 de January de 2017

Ginasta baiana da Seleção Brasileira disputará Pan-Americano em Cuba

A ginasta Gabriela Moura Brentan tem apenas 13 anos, mas já possui uma determinação de gente grande. “Ela pode estar até doente, mas não deixa de ir treinar”, conta a mãe dela, Cláudia Moura. Tanta dedicação tem motivo: a garota tem o grande objetivo de se destacar na Ginástica Rítmica, esporte que escolheu desde pequena, com oito anos. Tanta força de vontade, além do talento nato, está surtindo efeitos. Com o apoio do Governo do Estado, e do Faz Atleta, Gabriela já faz parte da seleção brasileira individual juvenil e irá viajar em novembro para disputar o campeonato Pan-Americano, em Cuba. “É muito importante para mim essa competição porque serve também como seletiva para os jogos olímpicos da juventude (somente para juvenis) do próximo ano. Se eu for bem, eu vou para esses jogos olímpicos e é um grande sonho para mim”, disse Gabriela.

Gabriela Brentan, a primeira da foto, faz parte da Seleção Brasileira de Ginástica.
Gabriela Brentan, a primeira da foto, faz parte da Seleção Brasileira de Ginástica.

A ginasta baiana está ranqueada entre as três melhores do País. Este ano, a garota ficou com o vice-campeonato brasileiro individual juvenil nas maças e o terceiro lugar no arco. No ano passado, já havia conseguido um quarto lugar nas maças. No âmbito local, Gabriela já foi campeã baiana seis vezes. Três no infantil e três no juvenil, desde 2005.

Gabriela ainda é tricampeã do JOCOPAR, competição que envolve os colégios particulares de Salvador, representando o Instituto Social da Bahia (ISBA), onde estuda. Na própria escola, a garota teve a boa referência, no início dos seus treinos, de Marcela Menezes, baiana que representou o Brasil na Olimpíada de Pequim, no ano passado. “Tenho ela como exemplo porque eu treinei com ela um tempo quando eu era pequena. Eu olhava para ela e pensava: se ela conseguiu, eu também posso conseguir”.

Gabriela é treinada por Joseane Coelho e tem o cubano Ernesto Trujillo como preparador físico e recebeu com alegria o anúncio de que o País irá sediar a Olimpíada de 2016. “Fiquei muito feliz quando soube que ia ser no Rio de Janeiro. Para mim, foi um sonho porque vai acontecer quando deverei estar no auge da minha carreira (com 20 anos). Vou trabalhar bastante para entrar na seleção adulta e me manter até lá para disputar essa Olimpíada”, disse a ginasta. O próximo passo para que isso se realize é brilhar em Cuba, no Pan-americano.


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*